Pular para o conteúdo principal

A quisa de aforisma

"Pense nos outros" - disse.
Mas o que não se sabia é que não estava completo.
"Não esqueça de si" - disse
Corda bamba, enfim
E sempre se cai.
De um lado, de outro
A esfolar a alma
Que chora em carne viva
Tijolos marcados
Azuis
Sem luz.

Mas destino muito pior, é de quem vive de um lado só.
Fica caído sobre estacas que partem os membros, bem devagar. Devagar e sempre.
É por isso que a dor do altruísmo irrefletido ou do egoísmo justificado são iguais.

Segue... Dizem que no final do muro, um velhinho aprendeu a se equilibrar em uma carta de baralho. E mais além, há os que nunca caíram.

Eu? Ah, nunca os vi.
Os olhos ainda estão cheios de lágrimas e os membros cheios de dor.
Mas não perdi o horizonte.
Lá, no fim, na curva que se vê de cima do muro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

...

E veio o mel, cobrindo tudo com o doce e dourado...
Para lembrar que o que vale a pena
é difícil
leve
e brilha, dentro, bem dentro,
onde o que mais importa mora.
E veio o mel, zumbindo, com todos os pequeninos seres
e ele iria embora, se existisse medo.
e tudo ficou doce.

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.

...

E toda vez que ela confundiu amor com ter algum tipo de companhia, ou apoio, fez um risco na parede. Ao fim da vida, não lhe sobrou parede intacta.
Pediu para voltar e aprender a desistir.
Quem sabe na próxima?