Pular para o conteúdo principal

frio de inverno

Chegamos no fim. No fim. No fim.
Como um filme, o fim sempre esteve lá. A espreita.
Mas enquanto um de nós corria, com a fome dos devoradores, daqueles, que olham para as migalhas sem remorso e nem saudades, o outro nem andava. Não ousava ao menos respirar.
Se respirasse, talvez, por Deus... a verdade, é que se respirasse, talvez doesse.
Recebia afagos como um cão.
Aquele, que agradece as migalhas...
Devia ter mordido os calcanhares.


Chegamos no fim. E como na fita tediosa, não há, realmente história a ser contada.

Conto de números primos. Não se dividem a não ser por si mesmos.

Quando eu digo que conheço muitas pessoas legais, aí está: o oftalmo montou esse texto comigo, enquanto medíamos a pressão do meu olho. (Ele media, na verdade. Nós tagarelávamos. E eu tomei liberdades poéticas na história que contamos)

Comentários

  1. ao ler tanta coisa fez sentido...
    será que ainda se pode morder os calcanhares?!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

...

E veio o mel, cobrindo tudo com o doce e dourado...
Para lembrar que o que vale a pena
é difícil
leve
e brilha, dentro, bem dentro,
onde o que mais importa mora.
E veio o mel, zumbindo, com todos os pequeninos seres
e ele iria embora, se existisse medo.
e tudo ficou doce.

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.

...

E toda vez que ela confundiu amor com ter algum tipo de companhia, ou apoio, fez um risco na parede. Ao fim da vida, não lhe sobrou parede intacta.
Pediu para voltar e aprender a desistir.
Quem sabe na próxima?