Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2010

Ondas

Vamos surfar? Você convida, absorto. Mas não estende a mão de verdade, ainda que ensaie o movimento.
Antes, observa.  Não gosta de empolgar-se com nada. Nem de parecer indispensável. Quase consigo ouví-lo pensar: Não posso deixar que dependa de minha mão.
É uma perspectiva interessante, sorver o caos, como nos quadrinhos. Talvez, se eu pudesse voar e andar de máscaras, parecesse mais legal subir na gágula mais feia do prédio mais alto do dia mais frio. Olhar o caos como quem sabe que precisa dele como precisa de pulmões.
(Eu não preciso de coração, sério!)
Mas eu não uso máscaras. (E aqui, você ri)
Ok, eu uso, mas elas estão muito grudadas na minha pele. Pouca gente vê, afinal, a ninguém interessa. Mas faz parte da mentira afirmar coisas como essa. Elas sustentam a máscara. Ela dói menos quando a gente treina em fazê-la sumir. Ainda que seja tudo mentira, todo mundo toma sua pílula vermelha, religiosamente.
E hoje eu brinquei de coisas feias, admitindo que o que faço e me dá identidad…

um dia

os deuses vão lhe tirar todas as noites em claro

as crises

as lágrimas

Um dia, os arrependimentos martelarão

Em estradas sem sentido

Da mente

Um dia, pq tudo volta tres vezes

por tres vezes todas, sempre se verá feio, fraco, perdido.

Ouroboros

Como explicar que o que eu odeio reflete em um ódio mais direcionado a mim do que qualquer coisa?
De ter aguentado, de ter escolhido, de ter ficado.
No fim, meu ódio é arrependimento.

Por acreditar, muito profundamente, que eu não valia a pena
E olha só, isso me faz valer menos ainda.

Eu odeio a você, e a mim, sem separar, sem tirar
E nem pôr.

Vazia a existência.
E odeio acima de tudo, este sentimento.

Texto para Enki.

Fui à biblioteca do lugar onde trabalho, hoje. Eu evito ir até lá, pois, a contrariar com o estigma das bibliotecas, eu acho que esta é muito barulhenta. Um burburinho enxameado (já contei que tem um livro me fazendo perdoar as abelhas?) permeado por mais burburinho, numa espécie de looping infinito ecoando pelas paredes. É engraçado que no prédio antigo a biblioteca era uma bolha de silêncio e concentração. Eu SEMPRE fugia para lá. Mas nessa, não funciona assim, então, eu fujo para as árvores, ou para minha sala. Mas, hoje ao ir para lá, ela me recebeu com mais silêncio do que das outras vezes. Lembrei, portanto, o quanto eu gosto das bibliotecas e fiquei por lá, acarinhando as paredes e mantendo contato com todos aqueles livros juntos. Gosto de visitar bibliotecas com o espírito de exploração, como quando fazemos visitas as livrarias. Tiro os livros inimagináveis das estantes, olho os índices, folheio. Amigos em potencial, é o que são, a espera que alguém os veja e dialogue com eles. O b…

Poema do Borges

O Milor traduziu: AQUI


LIMITES

De todas as ruas que escurecem ao pôr-do-sol,
deve haver uma (qual, eu não sei dizer)
em que já passei pela última vez
sem perceber, refém daquele Alguém

que, com antecedência, fixa leis onipotentes,
ajusta uma balança secreta e inflexível
para todas as sombras, formas e sonhos
tecidos na textura desta vida.

Se há um limite para todas as coisas e uma medida
e uma última vez, e nada mais, e esquecimento,
quem nos dirá a quem nesta casa
nós, sem saber, já dissemos adeus?

Pela janela que amanhece a noite se retira
e entre os livros empilhados que lançam
sombras irregulares na mesa baça,
deve haver um que eu jamais lerei.

Há uma porta que você fechou pra sempre
e algum espelho o esperará em vão;
para você as encruzilhadas parecem muito amplas,
mas há um Janus, vigiando você, nos quatro cantos.

Há uma entre todas tuas memórias
que agora está perdida além da evocação.
Você não será visto descendo àquela fonte,
seja à luz do sol claro, nem sob a lua amarela.

Vo…

Passo I

Quando eu tinha uns 16 anos, um senhor que eu respeitava muito – pois sempre carreguei uma espécie de carência paterna dentro de mim, um buraco preenchido por estranhos, uma solidão inexplicável e cheia de apetites e por isso mesmo, indescritível – mas enfim, divago nas sensações e me perco na narrativa... Havia, então, um senhor que me era querido. E um dia, como quem não quer nada, acredito que para provar um ponto qualquer numa discussão com um grupo, ele anunciou: -Eu consigo saber o que a pessoa pensa e o seu futuro só de ver a palma das mãos dela.               Não me lembro o que os outros fizeram, mas ficou gravado muito fundo em mim o que se passou a seguir. Ele olhou para mim e perguntou se poderia ver as minhas mãos. Abri, sem pestanejar e nem piscar, as duas palmas, muito abertas. Ele me olhou muito espantado. E disse: você não tem nenhum segredo! Nem um arrependimento! Nada a esconder... Eu perguntei por que dizia aquilo. Ele então explicou, que a maioria das pessoa…

Pitada

Quando eu crescer, quero morar no prédio vermelho.

E as suas janelas coloridas

Vao guardar, alimentar, acalentar

Uma alma de criança.

Com a honra das estátuas

E a leveza do vermelho

Encarnado, encarnando sonhos.

Imagem retirada de:http://venus--in--furs.blogspot.com/

enfim...

Na tentativa de distribuir minha amargura, hoje, eu ODEIO, capitalmente, pessoas que não usam os is nos lugares certos.
E odeio quem não conhece Nana
E odeio as doenças que impedem as pessoas de contar suas histórias.
E os passáros que não podem voar
e a saciedade surreal do açucar
e as pílulas de desparecimento
os sorrisos falsos que mascaram as lágrimas

Ode, odiosa ao espelho, grito ao reflexo.


When I was darkness at that time
furueteru kuchibiru
heya no katasumi de I cry
mogakeba mogaku hodo tsukisasaru kono kizu
yaburareta yakusoku hurt me

Nobody can save me