Pular para o conteúdo principal

as vezes eu queria escrever a verdade mais funda

mas quem amaria os miseráveis?

E eu sei que o amor não existe assim como se espera. Mas aos miseráveis, não sobra nem tolerância.

Comentários

  1. E não conseguimos deixar de falar. Parece que nunca é o bastante falar de amor.

    ResponderExcluir
  2. Gosto de um conceito do Deleuze e do Guattari que se chama Intermezzo - "estar no meio ou entre as coisas".
    Talvez o nosso grande sonho/delírio seja a ideia de profundidade: ir além das forças da vida. O mais profundo possível.
    Quando você escreve esses textos bonitos, acredito que você já está no "meio" das coisas: dos furacões e caos da existência.
    Surfar. Vamos surfar? Vamos dobrar as ondas?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

...

E veio o mel, cobrindo tudo com o doce e dourado...
Para lembrar que o que vale a pena
é difícil
leve
e brilha, dentro, bem dentro,
onde o que mais importa mora.
E veio o mel, zumbindo, com todos os pequeninos seres
e ele iria embora, se existisse medo.
e tudo ficou doce.

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.

...

E toda vez que ela confundiu amor com ter algum tipo de companhia, ou apoio, fez um risco na parede. Ao fim da vida, não lhe sobrou parede intacta.
Pediu para voltar e aprender a desistir.
Quem sabe na próxima?