Pular para o conteúdo principal

enfim...

Na tentativa de distribuir minha amargura, hoje, eu ODEIO, capitalmente, pessoas que não usam os is nos lugares certos.
E odeio quem não conhece Nana
E odeio as doenças que impedem as pessoas de contar suas histórias.
E os passáros que não podem voar
e a saciedade surreal do açucar
e as pílulas de desparecimento
os sorrisos falsos que mascaram as lágrimas

Ode, odiosa ao espelho, grito ao reflexo.


When I was darkness at that time
furueteru kuchibiru
heya no katasumi de I cry
mogakeba mogaku hodo tsukisasaru kono kizu
yaburareta yakusoku hurt me
 
Nobody can save me

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

...

E veio o mel, cobrindo tudo com o doce e dourado...
Para lembrar que o que vale a pena
é difícil
leve
e brilha, dentro, bem dentro,
onde o que mais importa mora.
E veio o mel, zumbindo, com todos os pequeninos seres
e ele iria embora, se existisse medo.
e tudo ficou doce.

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.

...

E toda vez que ela confundiu amor com ter algum tipo de companhia, ou apoio, fez um risco na parede. Ao fim da vida, não lhe sobrou parede intacta.
Pediu para voltar e aprender a desistir.
Quem sabe na próxima?