Pular para o conteúdo principal

historieta 1

O rato olhou no espelho. Seus olhinhos brilharam de volta, o outro que não era ele.
A verdade é que eu tenho medo.
A verdade é que o mundo mente, o mesmo tanto que eu.

E o rato foi lá, empilhar as mentiras bonitas, em uma caixa que dizia inofensivas.
Na verdade, queria esquecimento.
E conseguiu.

Comentários

  1. " Todas as nossas indiferenças simuladas, toda nossa indignação contra mentiras tão naturais, tão semelhantes às nossas, numa palavra, tudo quanto não cessamos,ao nos sentirmos felizes ou traídos não só de dizer ao ente amado, mas até lá,longe dele, de repetir a nós mesmos, algumas vezes em voz alta, no silêncio de nosso quarto, quebrado por frases como -"não,é realmente intolerável essa conduta" e " quis rever-te pela última vez e não nego que sofro" -, não podemos voltar mais à verdade, da qual tanto se desviara, sem abolir aquilo que mais nos apegávamos, aquilo que, nos projetos febris de cartas e entrevistas, debatíamos a sós, fervorosamente".
    (Marcel Proust. "Em busca do Tempo Perdido". p.169)

    ResponderExcluir
  2. Eu também queria o dom do esquecimento.
    T.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

...

E veio o mel, cobrindo tudo com o doce e dourado...
Para lembrar que o que vale a pena
é difícil
leve
e brilha, dentro, bem dentro,
onde o que mais importa mora.
E veio o mel, zumbindo, com todos os pequeninos seres
e ele iria embora, se existisse medo.
e tudo ficou doce.

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.

...

E toda vez que ela confundiu amor com ter algum tipo de companhia, ou apoio, fez um risco na parede. Ao fim da vida, não lhe sobrou parede intacta.
Pediu para voltar e aprender a desistir.
Quem sabe na próxima?