Pular para o conteúdo principal

Quantos textos vc não escreveu

Pq era frágil e faltavam palavras? Ou por que era covarde e as palavras sobravam, tantas, que eram contidas?

O ano do escorpião, o amigo me disse.
Morte, sangue, dívidas, mais morte
Crença nenhuma
Apenas a mais profunda.
De que eu não sou o suficiente. Qualquer coisa o suficiente.
Posso listar adjetivos no alfabeto inteiro.
Eu apenas não presto, não basto, não consigo.
Ok, perfeita a espalhar o tédio. Mas isso não conta como adjetivo, conta?
Que destino é esse a perseguir como miragem?
Nada existe
As pessoas não são como se pensa.
Ou melhor, são sim, mas não como vc pensa e lamenta.
Pq a crueldade é só sua culpa?
A burrice, essa sim.
Cruz tatuada na cara.
Sem, voz, sem eco, sem saudades
sem referencia
sem perspectiva
Morta.
Deito em meio aos escorpiões, abraçada.
O ano deles
Mas não adianta.
O dom final, eles não dão.
Não emprestam
Definhe e espere, sussura.
Mas eu posso esquecer por hoje, ao lado do vinho e do sono.
Até quando?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

...

E veio o mel, cobrindo tudo com o doce e dourado...
Para lembrar que o que vale a pena
é difícil
leve
e brilha, dentro, bem dentro,
onde o que mais importa mora.
E veio o mel, zumbindo, com todos os pequeninos seres
e ele iria embora, se existisse medo.
e tudo ficou doce.

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.

...

E toda vez que ela confundiu amor com ter algum tipo de companhia, ou apoio, fez um risco na parede. Ao fim da vida, não lhe sobrou parede intacta.
Pediu para voltar e aprender a desistir.
Quem sabe na próxima?