Pular para o conteúdo principal

letra primeira

Eu olho para vc
e vc ri
As, vezes, e só as vezes, consigo embarcar
como se seu jeito de menino
me deixasse mais leve
Sabes que usa ele como escudo, tb?
Aí, são apenas tapas infantis
com sua parcela de devastação
e o perdão que as crianças
imputam a seus atos.

Tentas irritar-me, e não consegue.
De fato, ninguém consegue
mas esse é o meu segredo de menina frágil
Irritada, fico uma vez só
e sumo

Mas brinco de sumir, também
como qualquer homem
com medo das correntes imaginárias que
insiste em tecer
Como se advinhasse meus sonhos.
Sim, eu sei
eu sou mulher... mas homem o suficiente para quase nunca procurar
quase...
é aí que me traio

A mulher que atrai o beija flor que tu és
e que nunca vai deixar de achar
que é só passatempo
falta do que fazer
vazio...

Eu respeito o vazio...
de fato, respeito, porque o tenho marcado
em brasas
na carne

Mas tenho que carregar o escudo, sabes?
Ou vai encher meu vazio com o barulho de suas asas
de beija flor
e aí, estarei de novo perdida.

Eu sei voar, mas não sei sair do chão.

Insisto na dança desencontrada. Sem saber
se em suas asas
há castigo
ou prêmio.

A mulher que há em mim por hora... quer devorar o beija flor
que me mostra entre sorrisos...

Mas na mesma hora, a mesma mulher... deseja correr para sempre.
Longe.

Comentários

  1. Você escreve coisas bonitas e difíceis de se ler e pensar. Consigo perfeitamente sentir o que você sente (acho eu na minha inocência), mas não consigo entendê-las,não sei para qual endereços elas foram destinadas. Gosto muito do que você escreve, deixa-me um pouco mais feliz, não sei se você escreve para deixar as pessoas felizes, mas a mim fico com parte incompreensíveis de você, partes que não sei como funcionam, mas só sei que me faz feliz!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

...

E veio o mel, cobrindo tudo com o doce e dourado...
Para lembrar que o que vale a pena
é difícil
leve
e brilha, dentro, bem dentro,
onde o que mais importa mora.
E veio o mel, zumbindo, com todos os pequeninos seres
e ele iria embora, se existisse medo.
e tudo ficou doce.

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.

...

E toda vez que ela confundiu amor com ter algum tipo de companhia, ou apoio, fez um risco na parede. Ao fim da vida, não lhe sobrou parede intacta.
Pediu para voltar e aprender a desistir.
Quem sabe na próxima?