Pular para o conteúdo principal

meias verdades

Ás vezes, queria poder explicar essa necessidade
Essa imensa necessidade que eu tenho
de me esconder.
Queria que houvesse um desenho
Ou palavras certas.
Mas, eu sei, com uma espécie de certeza inexata
Que se eu contar
Vai dar para ver a dor em meus olhos.
Deuses, parece que eu sou apegada a ela, ás vezes
Como aqueles amores doentes, e amarelos, que pulsam, infeccionando tudo.
Tudo que eu queria é que a dor fosse embora.
E as vezes eu minto
E as vezes eu sorrio
E as vezes eu nada.
Não quero me afogar na escuridão.
Não quero mais ouvir os banshes no meu ouvido.
Mas, ao mesmo tempo, eu sei que ela está aqui
ao alcance de uma respiração.
E eu sumo
Normalmente, por que o peso é demais
E ninguém pode me ver de joelhos.
Entenda, eu sei.
O meu egoismo é o pior.
Mas falar, deixar que se veja.
É só dar realidade, a algo que eu queria sumido.
E vou quebrando aos pouquinhos
até que um de nós suma primeiro.
Não desista de mim.
Especialmente quando eu preciso brincar de desaparecer.
Se você não ver
Será verdade
e nem a ninfa, aquela, o eco
vai poder me encontrar.

Comentários

  1. J. Gostei do que escreveu no meu blog. Só quem é darkovano entende Darkover. Parece que quem não lê, simplesmente não lê, não gosta, acha chato, estranho.... Muito bom, reconhecimento. Tenho esse outro blog aqui - www.onaturalista-neto.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

...

E veio o mel, cobrindo tudo com o doce e dourado...
Para lembrar que o que vale a pena
é difícil
leve
e brilha, dentro, bem dentro,
onde o que mais importa mora.
E veio o mel, zumbindo, com todos os pequeninos seres
e ele iria embora, se existisse medo.
e tudo ficou doce.

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.

...

E toda vez que ela confundiu amor com ter algum tipo de companhia, ou apoio, fez um risco na parede. Ao fim da vida, não lhe sobrou parede intacta.
Pediu para voltar e aprender a desistir.
Quem sabe na próxima?