Pular para o conteúdo principal

Para as fadas

As fadas cantam, na madrugada.
Assopram, para que o vento frio se espante
pelo doce calor de seu hálito.
E riem
Como filhas do vento
Achei que carregassem o frio
E Niamh chamando Venha, Venha para cá.

as fadas dançam, descalças,
quase sem tocar o chão
Ou melhor, tocando
Só quando é divertido
E eu escuto, com seu riso
Niamh continua chamando Venha, Venha para cá.

Em círculo as palmas se tocam
Em círculo lábios sussuram
O meu presente, no dia especial que acaba
Quando outro começa
Está tudo aí, escuto
E Niamh chamando Venha, Venha para cá.

É como abraçar um morno mel
doce, que formiga na pele e nos lábios
Uma coroa de flores, 
verde élfico e tambores.
Fogo crepitando, no coração que é sagrado
E Niamh chamando Venha, Venha para cá.

Eu nunca fui embora.
Apenas não sabia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

...

E veio o mel, cobrindo tudo com o doce e dourado...
Para lembrar que o que vale a pena
é difícil
leve
e brilha, dentro, bem dentro,
onde o que mais importa mora.
E veio o mel, zumbindo, com todos os pequeninos seres
e ele iria embora, se existisse medo.
e tudo ficou doce.

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.

...

E toda vez que ela confundiu amor com ter algum tipo de companhia, ou apoio, fez um risco na parede. Ao fim da vida, não lhe sobrou parede intacta.
Pediu para voltar e aprender a desistir.
Quem sabe na próxima?