Pular para o conteúdo principal

segredo

A verdade é que eu não ligo muito. Nasci como um ogro ariano, que atropela tudo com desejo, Posse. Ou agarra com dedos grudentos ou larga de vez sem olhar para trás. Ou quase. Fingir que nao existe é uma boa tática também. É  como brincar de desaparecer, eu quase consigo. Mas nas noites insones, tem uma coisa pequena e quente. Que queria mar e lareira. Eu sei, não é fácil. É por isso que fica escondida. Os grandes gestos ou as pequenas declarações  Não sei. Alento, casa, um abraço. Sem que tudo pareça uma piada. Mais como naquele livro. Os que deixam o quente da pelagem do coelho para, nas pontas e arriscando cair, olhar nos olhos do mágico sem medo.
Queria acreditar que existe um mágico. Sentir na ponta dos dedos, nas coisas pequenas e nos grandes gestos.
É só a grande fome de importancia, roncando na madrugada. É só, não sei. Necessidade de não pensar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

...

E veio o mel, cobrindo tudo com o doce e dourado...
Para lembrar que o que vale a pena
é difícil
leve
e brilha, dentro, bem dentro,
onde o que mais importa mora.
E veio o mel, zumbindo, com todos os pequeninos seres
e ele iria embora, se existisse medo.
e tudo ficou doce.

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.

...

E toda vez que ela confundiu amor com ter algum tipo de companhia, ou apoio, fez um risco na parede. Ao fim da vida, não lhe sobrou parede intacta.
Pediu para voltar e aprender a desistir.
Quem sabe na próxima?