Pular para o conteúdo principal

Postagens

Da primeira vez que eu ganhei uma música.

Talvez seja uma coisa pequena para você, e nem fique na lembrança. Mas foi você quem primeiro me deu uma música de presente. Dizia que o refrão fazia lembrar de mim e dizia: minha, minha, minha J.
Em que o J. era eu, evidentemente. Um outro nome, uma outra vida.
Você se foi e não era para ser, eu gosto de acreditar.
Embora a gente tenha que viver com o "e se" daquele que escapou, eu acho, até o fim da vida.
Gosto da música até hoje e escuto, sem lamentos.
Ela é bonita
E doce
E triste, tão triste. Era tristeza que eu trazia no coração, naquele tempo, tão longe?
Provavelmente, com essa melancolia de pelúcia que carrego no colo desde que eu me lembro, havia uma luz de tristeza que você podia ver?
Ou, sou eu, que pensando nisso depois, amarro os sentidos?
Depois, entreguei meu coração e meu mundo algumas vezes.
Mas não ganhei uma música, então, era a sua que eu ouvia quando estava triste. Ela era minha e não um símbolo do que não foi. Apenas minha.
Até, que depois de algum, ou …
Postagens recentes

das pequenas coisas 1

Eu soube que te amava e podia confiar, quando vc ficou na tempestade.
Meu coração se enterneceu quando celebramos as crianças que fomos
apesar de toda dor.
Mas eu tinha dúvidas, às vezes, quando ficava difícil.
Das dúvidas, recordo pouco.
É um alento
E também uma maldição.
Um dia eu parti meu coraçao.
e vc juntou os pedaços
e colou
com paciência.
Já tinha feito isso antes
e não tinha medo
e foi difícil
até que sua mão era a que eu podia
segurar no escuro
e sua respiração era meu ar.
Mas era mais
Por que eu era eu
e era
forte
e sempre seria
e foi você que me deu isso
como um veu retirado
da realidade
mas agora
é tudo cinza
e eu estou só
inteira
e sozinha
e a mesma
mesmo querendo ter melhorado mais
Mas inteira não é mais suficiente
não sem o seu abraço.

...

E toda vez que ela confundiu amor com ter algum tipo de companhia, ou apoio, fez um risco na parede. Ao fim da vida, não lhe sobrou parede intacta.
Pediu para voltar e aprender a desistir.
Quem sabe na próxima?

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.
As vezes, não consigo evitar.
Queria pegar quem eu era
anos atrás
e fugir
para não cair no buraco
no buraco sem fundo
que tirou de mim
justamente
quem eu era
antes

conto

E um dia a menina
quebrou o espelho
para não ser quem era.
Mas o caco que olhava de volta era sempre conhecido
E a fazia sangrar em desespero.
Até que as lágrimas
silenciaram a menina
para todo sempre
e do espelho
restou só
o pó