Pular para o conteúdo principal

Sobre caçar

Não sabia o que era. Seria a flor que carregava no peito? A sensação de que o mundo nada diria? a sensação de que a vida era isso aí? E a verdade é que é mesmo?
Arco e alijava.
Saiu, caçou. Olhos negros, como os animais mais doces. O veneno?
Ela levou. Não precisava de mais peçonha do que a que habitava no próprio peito.
Paralisou, brincando, indo e vindo.
Caçar é entender a presa.
É fácil - pensou.
Mas a verdade é que poucos caçavam, aquela hora, aquele dia.
Talvez fosse simples pela falta de disputa -  não pensava em disputas, entretanto,  não aquela hora.
A presa olhou... Com reconhecimento? Ou talvez apenas apego pelos passos da caçada?
Olhou seus olhos, pintados,  de negro, também.
Ela invejava os olhos negros, como os da presa.
O acordo, tácito. Ele se deixaria pegar?
Ela recuou.
Não assuste a presa.
Mas houve o passo a frente, no momento exato.
Como uma dança.
Aprisionar os olhos, recuar, aprisionar de novo, recuar. Ela mantinha as frases na mente. Estava nervosa, um pouquinho só. E tonta. Não contente com o veneno que lhe era natural, tinha tomado mais, e rápido. Como os desesperados.
Só para o mundo desfocar, pensou.
Só para brincar de leve nos lábios.
Ela ria por dentro. Ria, para calar as lágrimas, lados de uma moeda bizarra.
E flechou no acordo tácito.
Certeira.
No fim correu, sem olhar para trás.

Arranhava
A palavra, a palavra, a palavra...
garganta
coração
morte ou gozo?

Caçar ou fugir?
Caçar e fugir?
Caçar é fugir!
A palavra, a palavra, a palavra
uma única
verbo
criado
de- ses- pero.
des - esperar.

Tinha dado certo, mas ao mesmo tempo foi como se tivesse perdido.

Comentários

  1. Pensei nos falcões Verrin quando li sobre caça.
    E suas iscas rodopiando pelo céu.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.
Um dia eu parti meu coraçao.
e vc juntou os pedaços
e colou
com paciência.
Já tinha feito isso antes
e não tinha medo
e foi difícil
até que sua mão era a que eu podia
segurar no escuro
e sua respiração era meu ar.
Mas era mais
Por que eu era eu
e era
forte
e sempre seria
e foi você que me deu isso
como um veu retirado
da realidade
mas agora
é tudo cinza
e eu estou só
inteira
e sozinha
e a mesma
mesmo querendo ter melhorado mais
Mas inteira não é mais suficiente
não sem o seu abraço.

...

E veio o mel, cobrindo tudo com o doce e dourado...
Para lembrar que o que vale a pena
é difícil
leve
e brilha, dentro, bem dentro,
onde o que mais importa mora.
E veio o mel, zumbindo, com todos os pequeninos seres
e ele iria embora, se existisse medo.
e tudo ficou doce.