Pular para o conteúdo principal

textos eternos.

São aqueles muito parte de mim mesmo. Aqueles que me dão ímpetos de agradecer por existirem. Um dos meus sonhos mais profundos é justamente uma grande colcha de retalhos desses trechos. Eles lêem meu coração. Talvez a minha insônia só termine se um dia algo como um edredon de letras possa embalar meu sono.
Ou talvez, nesse caso, tantas seriam as lágrimas de emoção e elas  fossem tão intensas, que eu não precisaria mais dormir.
De fato, essa colcha de retalhos seria o mais próximo que eu poderia chegar de um paraíso.

Esse, eu copiei do blog da vilma. Pq embora saiba de cor, nunca transcrevi do fragmento a que ele pertence.

Sou seu raptor.
Sou aquele que você esperou.
Que então eu surgisse no meio da noite.
Que então eu viesse, violentamente.
E arrebatasse seu corpo sonolento
e levasse você para outro mundo.
Cheio de portas, e todas abertas.
Desenha paisagens onde morar.
Cria um rosto que chama de amigo.
Sou esse rosto.
Sou o bandido que salta do papel.
E antes que possa reagir,
seus pés já correm,
guiados pelos meus.
Sua mão vem veloz,
guiada pela minha.
Pois sou seu raptor,
o forasteiro na rua principal.
E você não me opõe resistência.
Como a ave que caça, de longe vi você,
fechei forte as minhas garras,
e ninguém mais viu falar de nós
nessa cidadezinha de merda.
 
 
Alessandro Martins

Comentários

  1. Texto completo!! A vilma deu uma censurada devido aos alunos... Inclusive, considero os dois últimos versos os mais inspiradores. (A minha colcha de retalhos também é o mais próximo que consigo chegar do paraíso.)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

...

E ela caminhou só por tanto tempo
que não sabia se tinha se desligado do mundo
ou se o mundo tinha se desligado dela

A não ser pela pequena base, os irmãos que
entre um mundo e outro
 sussuravam

nada importava
e não fazia diferença

a nao ser
nos breves momentos
de aconchego
solitario.
Um dia eu parti meu coraçao.
e vc juntou os pedaços
e colou
com paciência.
Já tinha feito isso antes
e não tinha medo
e foi difícil
até que sua mão era a que eu podia
segurar no escuro
e sua respiração era meu ar.
Mas era mais
Por que eu era eu
e era
forte
e sempre seria
e foi você que me deu isso
como um veu retirado
da realidade
mas agora
é tudo cinza
e eu estou só
inteira
e sozinha
e a mesma
mesmo querendo ter melhorado mais
Mas inteira não é mais suficiente
não sem o seu abraço.

...

E veio o mel, cobrindo tudo com o doce e dourado...
Para lembrar que o que vale a pena
é difícil
leve
e brilha, dentro, bem dentro,
onde o que mais importa mora.
E veio o mel, zumbindo, com todos os pequeninos seres
e ele iria embora, se existisse medo.
e tudo ficou doce.